Artigo:
       Home         |    Agenda 
 

     Serviços









 Consumo de cálcio e fitatos podem diminuir o risco de formação de cálculos urinários

O cálcio presente em dietas regulares e mesmo o cálcio em forma de suplementação, não estão associados com o risco aumentado de pedras nos rins (cálculos urinários), e podem ser protetores em mulheres jovens, de acordo com os resultados de um estudo publicado em 26 de abril de 2004, na revista médica Archives of Internal Medicine.
"Em mulheres e homens, uma ingestão maior de cálcio, potássio e líquidos reduz o risco de formação de cálculos urinários, enquanto que, sódio, proteína animal e sucrose (um tipo de açúcar) aumentaram o risco," escrevem Gary C. Curhan e colaboradores, do Hospital Feminino Brigham de Boston, Massachusetts. Sugerem também que o fitato, componente encontrado nos cereais integrais, legumes e frutos secos, diminui a chance de formação de cálculos renais, inibindo a formação de cristais de oxalato de cálcio.
Curhan analisou a dieta de quase 100.000 enfermeiras, com idades de 27 a 44 anos e chegou à conclusão de que as que ingeriam mais cálcio de alimentos como leite, queijo e iogurte reduziram seu risco de cálculos renais em 27 por cento. O uso de suplementos a base de cálcio também não afetou o risco da formação de cálculos renais. O consumo do fitato foi associado também com um risco reduzido da formação de pedras nos rins. Os autores concluem que por causa do risco mais elevado de formação de cálculos renais de oxalato de cálcio em mulheres jovens com restrição alimentar de cálcio, esta orientação dietética não é justificada. Por outro lado o aumento na quantidade de líquidos ingeridos e aumento no consumo de fitatos, são fatores importantes para diminuir o risco de formação de cálculos renais.
Os cálculos renais, que afetam aproximadamente uma em cada mil pessoas a cada ano, são compostos freqüentemente por oxalato de cálcio e cristais salinos. Outras substâncias que contribuem para a formação de pedras incluem o ácido úrico, estruvita e cistina. Normalmente essas substâncias devem ser eliminadas com a urina.
Os cálculos ou pedras, que podem ter desde o tamanho de um grão de areia até o de uma bola de golfe, obstruem as vias urinárias ou passam para a bexiga. O tratamento para destruí-las inclui o uso de litotripsia extracorpórea, procedimentos endoscópicos ou, em casos mais graves, a cirurgia.
O fato de essas pedras terem uma alta quantidade de cálcio leva a muitos médicos a sugerirem aos pacientes uma dieta de baixos níveis de cálcio.

Dr. Daniel Gobbi - Medico Urologista

 

 

Voltar
   
UROPASSOFUNDO 2010 © |Todos os direitos Reservados |        Powered By Partners Solutions & Technologys